Parque Nacional Peneda Gerês

Santuário Natural de excelência, é uma das mais intocadas e puras regiões nacionais.
O Parque Nacional Peneda Gerês é o mais fabuloso santuário natural de Portugal. Engloba 4 serras: Gerês, Peneda, Soajo e Amarela, numa extensa área que engloba partes do Minho e de Trás-os-Montes. Visitar o Gerês é mergulhar em cascatas de rios cristalinos, é passear por aldeias genuínas, é sentir as tradições vivas do povo, é contactar com a natureza em estado puro. Viaje e descubra alguns dos locais mais bonitos do Parque Nacional Peneda Gerês.

1. Santuário Nossa Senhora da Peneda
O Santuário de Nossa Senhora da Peneda, em Arcos de Valdevez, na freguesia de Gavieira, a caminho da vila de Melgaço, tem como data provável de inicio da sua construção, finais do século XVIII, a julgar pela data inscrita na coluna existente ao cimo da escadaria de acesso.
Acredita-se que neste local tenha existido uma pequena ermida construída para lembrar a aparição da Senhora da Peneda, cujo culto foi crescendo e motivou a construção do santuário. Este lugar de culto é constituído pelo designado, escadório das virtudes, com estatuária que representa a Fé, Esperança, Caridade e Glória, datada de 1854, a igreja principal, terminada em 1875, o grande terreiro, o terreiro dos evangelistas e a escadaria com cerca de 300 metros e 20 capelas, com cenas da vida de Cristo.

1. Santuário Nossa Senhora da Peneda
Santuário da Peneda – Gavieira

2. Ponte da Misarela
A Ponte da Misarela (ponte do diabo) localiza-se sobre o rio Rabagão, a cerca de um quilómetro da sua foz no rio Cávado, na freguesia de Ruivães, concelho de Vieira do Minho, distrito de Braga, em Portugal. Liga as freguesias de Ruivães à de Ferral, no concelho de Montalegre.
Está implantada no fundo de um desfiladeiro escarpado, assente sobre os penedos e com alguma altitude em relação ao leito do rio, sendo sustentada por um único arco com cerca de 13 metros de vão. Foi erguida na Idade Média e reconstruída no início do século XIX.

2. Ponte da Misarela
Ponte da Misarela

3. Castro Laboreiro
Castro Laboreiro pertence ao concelho de Melgaço e situa-se no Parque Nacional da Peneda-Gerês. Possui um dos mais ricos patrimónios pré-históricos do país que reúne gravuras e pinturas rupestres, 120 Dólmenes (datados de há 5000 anos) e Cistas (monumentos megalíticos funerários).
Esta aldeia possui um património histórico e arquitectónico de grande riqueza, destacando-se um tipo próprio de construções castrejas existentes em Castro Laboreiro, o Castelo de Castro Laboreiro – classificado como monumento nacional, a Igreja Matriz de Castro Laboreiro, o Pelourinho de Castro Laboreiro, datado do século XVI, classificado como imóvel de interesse público; igrejas medievais, os fornos comunitários, os espigueiros e os moinhos.

3. Castro Laboreiro
Castro Laboreiro

4. Soajo
Pequenas casas erguidas com blocos de granito ladeiam as ruas de pedra, guiando o visitante para o largo onde se ergue o singular pelourinho, Monumento Nacional desde 1910. Uma simpática face antropomórfica inscrita, coroada com um triângulo no topo, a lembrar um chapéu de três bicos, dá-nos as boas-vindas a esta aldeia, onde o visitante encontrará uma atmosfera descontraída e muito acolhedora.
Na periferia da área urbanizada, num ponto alto dominado por um grande afloramento granítico, visite a eira comum, um imponente conjunto de 24 espigueiros construídos em pedra, com elementos arquitectónicos que datam dos sécs. XVIII e XIX, onde a comunidade guardava os cereais, sobretudo o milho, abundante na região. As cruzes no topo representam protecção divina dos seus conteúdos, sobrevivência da comunidade, “o pão nosso de cada dia”.

4. Soajo
Soajo

5. Lindoso
Lindoso é uma aldeia do concelho de Ponte da Barca que faz fronteira com Espanha e está inserida no Parque Nacional da Peneda- Gerês. Foi vila e sede de concelho até ao início do século XIX. O Castelo de Lindoso, construído no reinado de D. Afonso III, no século XIII, está classificado como monumento nacional e merece uma visita cuidada.
Merecedor, também, de um olhar atento, é o conjunto de espigueiros da aldeia. São mais de cinquenta exemplares, dos séculos XVIII e XIX, ainda hoje utilizados para a secagem de cereais. Para além destes, o valioso património edificado inclui o Pelourinho, o Cruzeiro do Castelo, o Cruzeiro do Largo do Destro, a Igreja Matriz, o lavadouro da aldeia e as calçadas medievais. Nas imediações da aldeia, em Parada, percorra o Trilho dos Moinhos de Água e mergulhe nas águas refrescantes do Poço da Gola. A aldeia conta com diversas casas de turismo recuperadas, um convite à estadia em pleno Alto Minho.

Portugal. Lindoso. Espigueiros.
Lindoso

6. Mata da Albergaria
Situada entre as Caldas do Gerês e a Portela do Homem, esta reserva botânica alberga um importante carvalhal em estado natural, pelo que, embora possa ser percorrida a pé, está sujeita a medidas especiais de protecção.
O caminho que atravessa a mata e acompanha a via romana estende-se ao longo da margem esquerda da albufeira de Vilarinho das Furnas, terminando em Campo do Gerês. Além do seu valor ecológico, possui importante valor histórico, pois são visíveis neste local restos de uma Geira Romana, com os seus marcos miliários.

6. Mata da Albergaria
Mata da Albergaria

7. Ponte Cava da Velha
A ponte da Cava da Velha é uma das três pontes de origem romana que, juntamente com as da Dorna e da Assureira, pontuam, actualmente, a estrada municipal 1160, ao longo do Rio de Castro Laboreiro. Ela ligava inicialmente a via romana que, da Portela do Homem, se dirigia a Laboreiro, e a sua existência justificou-se, ainda, pela proximidade em relação a uma fortaleza castreja, situada nas imediações, como forma de garantir o processo de romanização e de ataque das tropas romanas, em caso disso.
Na actualidade, a ponte compõe-se de dois arcos de volta perfeita, de largura desigual entre si, sendo o maior de 10,60m e o menor de apenas 1,70m. Uma tal discrepância atribui-se a uma segunda fase de obras por que o imóvel passou, pelos séculos XII ou XIII, campanha que conferiu o aspecto geral que a ponte hoje ostenta.

7. Ponte Cava da Velha
Ponte Cava da Velha – Castro Laboreiro

8. Pitões das Júnias
Localizada em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês, no bonito concelho de Montalegre, Pitões das Júnias é uma das mais tradicionais e pitorescas aldeias transmontanas, que tem conseguido manter ao longo dos séculos a sua pequena população e o aspecto medieval, de construções em pedra, sendo um dos principais atractivos turísticos desta região nos meses de Verão, contando já com algumas unidades de turismo ecológico.
A origem desta aldeia origem confunde-se com a do Mosteiro de Santa Maria das Júnias, localizado num vale isolado, consagrado à Senhora das Unhas que acabou por se tornar Senhora das Júnias. O ano de 1147 será a data provável da fundação do mosteiro das Júnias, como atesta a data gravada no muro da igreja. Sabe-se que a incorporação na importante Ordem de Cister ocorreu no séc. XIII, sendo este o estabelecimento cisterciense mais isolado que se tem conhecimento.

8. Pitões das Júnias
Pitões das Júnias

9. Cascata do Arado
A Cascata do Arado é uma queda de água (cascata) fluvial localizada no Rio Arado, perto da aldeia da Ermida, freguesia de Vilar da Veiga, concelho de Terras de Bouro e distrito de Braga, em Portugal.
Esta cascata caracteriza-se por se localizar num curso de água de alta montanha, no rio Arado em que o desnível do terreno é vencido por uma sucessão de cascatas que terminam num lago de águas cristalinas nas proximidades da aldeia da Ermida, localizada a leste das Termas do Gerês.

9. Cascata do Arado
Cascata do Arado

10. Cascata Frecha de Barjas
As Cascatas de Fecha de Barjas, por vezes designadas Cascatas do Taiti (designação errada) são uma queda de água(cascata) localizada nas Caldas do Gerês, freguesia de Vilar da Veiga, concelho de Terras de Bouro e distrito de Braga, em Portugal.
É uma cascata de alta montanha cujas águas são provenientes do Rio Arado e onde só se pode chegar por caminhos pedestres dada a grande dificuldades de acesso ao local visto os caminhos serem muito sinuosos e agrestes. Esta queda de água termina numa calma e serena lagoa com margens de areia e águas cristalinas que representa um refúgio para o difícil caminho.

10. Cascata Frecha de Barjas
Cascata Frecha de Barjas

Podem acompanhar tudo aqui:
https://filipemiguel.blog

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s